capítulo 5

437 31 2
                                    

Um mês depois

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Um mês depois

Não sei o que está acontecendo comigo.sempre achei que quando eu encontra-se a Sof ...eu ia tira esse vazio do meu peito.

Mas isso não acontece,no começo eu me senti alegre mais sempre com essa sensação de falta.

Estávamos  ficando...mais sinceramente...ela não faz o meu coração bater como eu achei que faria. Então simplesmente eu terminei no que nem chegou a começar.

Agora para completar e me tira o sono... não paro de pensar na custureira da minha vó.

Não sei explicar o quê acontece... quando estou perto dela. Não consigo nem fala direto.

Passo mãos no cabelo nervoso...eu devo ter algum problema só pode .

Mãe: porque essa cara?eu achei que depois quê você encontra-se a Sof... isso ia passa.-Fala sentando do meu lado no sofá.

Eu: ela não faz o meu coração bate.-Falo chateado.

Mãe: já quê você chegou a essa conclusão... agora só falta dizer para ela.-ela pega a mão em conforto.

Eu: eu disse ela ontem para ela que não estava dando certo para mim.Ela ficou super chateada e disse que não quer mais me ver.Falo triste.

Mãe:  filho você foi sincero com ela ...se ela não entendeu paciência.

Eu: vou esperar ela se acalmar e depois tento falar com ela de novo.

Mãe: porque eu acho que ainda tem mais...me diga tudo.-Sorrio sem jeito vendo o quanto minha mãe me conhecer.

Eu: eu não paro de pensar na Sofia a custureira da minha vó.

Mãe: eu adoro ela... é uma ótima pessoa.-Fala sorrindo.

Eu: mãe... isso não faz sentido...eu mal falo com ela.

Mãe: para as coisas do coração ninguém explicar...mas me conta o que você senti quando esta perto dela?

Eu: eu não sei explicar...o meu coração dispara ,eu me sinto um bobo perto dela.-Falo dando um sorriso.

Mãe: eu acho que o seu coração já escolheu...basta você aceita.-Fala indo atende a campainha.

Mãe: tinha até me esquecido quê você vinha.-Escuto ela falando com alguém.-vem vamos para a sala.

Meu coração dispara e fico feito bobo olhando para ela...a mulher que invadi os meus sonhos quase todas as noites.

Eu: oi sofia.-Falo indo até ela é ter dando um beijo no rosto... fazendo ela cora.

Sof: oi Apolo.Fala tímida.

Eu: cadê a pequena?

Sof: ela ficou com a amiga minha.

Mãe: sempre que você vier aqui pode trazer ela.

Sof: pode deixar...ela vai adorar.

Mãe: Apolo você acredita que a su me chama de vovó.-Fala feliz.

Sof fica muito corada.

Eu: su é uma criança maravilhosa.você fez um bom trabalho.

Sof: obrigada.

Mais uma coisa  que me encantou nela...foi o fato de saber quê ela cria a irmã como sua filha.

Sof: eu trouxe o vestido para você experimentar.-Fala com a minha mãe.

Mãe: eu vou experimentar e já volto.

Minha mãe sai enquanto eu fico sem saber o fala...me sinto um bobo.

Eu: Sofia você podia desenha o meu blazer?-Ela me olha surpresa.

Sof: se você me escrever como você quê eu acho que consigo.-Fala pegando o caderno e um lápis.-Pode fala.

Eu começo descrever como eu imagino o terno... depois de alguns minutos ela me amostra.

Chego perto dela para ver o desenho e me arrepio todo sentido um cheirinho de morango maravilhoso.

Sof: você escolher a cor.Você gostou?-Fala me olhando.

Quê olhos lindos!

Eu: eu adorei.Vou querendo ele azul marinho.

Sof: depois quê eu terminar com a sua mãe eu tiro sua média.

Ela guarda seu caderno na bolsa ... deixando cai uma coisa.

Eu pego e tomo um susto vendo quê é a mesma pulseira quê eu dei a Sof.

Não sei o que me acontece...mas me sobre uma raiva.Como essa  pulseira está com ela?

Eu: quem te deu essa pulseira?-Falo desepcionado.

Sof: eu ganhei de um amigo de infância.Por conhecidencia ele tem o seu nome.-Fala  me olhando.

Eu: Sofia me desculpa mais isso está estranho...essa pulseira é de uma conhecida minha e fui eu a dei.-Falo guardando a pulseira no bolso.

Sof: você está insinuando quê eu roubei! Olha só eu nunca roubei nada na minha vida...mesmo passando necessidade.Agora me devolva a minha pulseira.-Fala irritada.

Eu: eu não disse que você roubou nada ...eu só disse que não é sua.

Mãe: o que está acontecendo...dá para ouvir vocês de longe?

Sof: seu filho está me acusando de ter roubado uma pulseira.-Fala chateada.

Minha mãe me olha de cara feia.

Eu: não me olha assim... é a pulseira quê eu dei para Sof.-Falo amostrando a pulseira.

Mãe: realmente essa pulseira foi a quê o Apolo fez ... não tem outra igual.Só pode ser ela.

Sof: mel eu não sei o que está acontecendo...eu só sei quê essa pulseira eu ganhei quando eu tinha sete anos de um amigo meu...como um presente de despedida.Ele me disse que a pulseira era para eu nunca me esquecer dele.-Fala chorando.

Eu olho para a minha mãe já emocionado.Será quê ela é minha sof?

Passo a mão no rosto tentando raciocinar direito.

Eu: Sofia me desculpa eu não quis ter magoar...mas eu tenho certeza que eu dei essa pulseira para uma amiga minha .-Falo entrando a pulseira para ela.Nessa hora não sei mais o que pensa.

Sof: você tem uma foto da sua amiga?

Eu: tenho uma quando éramos crianças...é uma recente quando eu a revi depois de anos .-Falo abrindo a carteira e pegando a foto antiga...e amostro ela.

Ela chora mais ainda.

Sof: eu achei que nunca mais ia te ver de novo.Essa só eu Apolo...Sofia Silva,filha de Sandra Silva e Roberto Silva.-Eu limpo sua lágrimas.

Eu: então quem é a pessoa que se fez passa por você? -Mostro o meu celular com a foto.

Sof: eu não acredito que ela fez isso!Fala irritada.

Mãe: ela quem querida?

Sof: essa é a minha irmã Sônia.

Mãe: como ela pode fazer isso.-Fala hororisada.

Meu coração já tinha conhecido antes de mim a mulher da minha vida.

Comentem 📣
Votem ⭐
Beijos 😘
































MEU PORTO SEGURO 4(CONTO)Onde as histórias ganham vida. Descobre agora